21 setembro 2011

Não sou este tipo de garota


Todo o seu futuro está em suas mãos. Planos perfeitos, sucesso garantido. Mas uma amizade põe toda a carreira de Natalie Sterling por um fio. Uma amiga que tomou uma decisão errada, tentativas de mudar garotas irresponsáveis, e um pequeno deslize, foram o suficiente para quase ser expulsa do colégio. Aquela que antes ignorava os garotos, agora se pega pensando naquele que sempre deu fora. A linha entre o certo e o errado foi distorcida, e cruzá-la poderá resultar em um desastre… ou se tornar a melhor escolha que ela já imaginou fazer.


Li esse livro em um dia. O fato dele não ser grande ajudou, mas o fator principal dessa engolida literária foi o quão boa e intrigante é a sua história. Nunca fui fã de romances adolescentes, sempre fui apaixonada pela fantasia, e agora me peguei apaixonada pelos desesperos da juventude. Oh lord.

Natalie é o tipo de menina que todo pai queria como filha: estudiosa, gananciosa no bom sentido, não namora e acha que garotos são uma grande perca de tempo. Resumindo, projeto de feminista power. Aluna perfeita, notas impecáveis, preparando-se pra concorrer a presidência do conselho estudantil, e finalmente curtir com sua única amiga Autumn, a quem protege como uma criança em uma bolha. Tudo isso porque há uns anos, Autumn se apaixonou por um veterano do time de futebol, e ao se recusar a vontade dele, virou motivo de chacota, mais precisamente, virou a isca de peixe. Natalie foi a única a apoiá-la, e com o passar do tempo adquiriu essa "responsabilidade" sobre a amiga.

Último ano do colégio, e surge das trevas uma conhecida que Natalie fora babá. Com apenas 13 anos, a menina, ou melhor, Spencer, é mais pra frente do que para-choque de Toyota. Reflita. Tudo que ela quer é curtir o que a vida tem de melhor, e as consequências que se dane. Mais uma vez o espírito de mãe baixa em Natalie, e ela se acha na responsabilidade de mostrar a saída para Spencer. É aí que sua vida vira de cabeça-pra-baixo. E pra piorar, uma paixão a pega de surpresa e faz Natalie pensar se tudo que ela sempre pregou e achou certo, era realmente o certo a se fazer.

Se pra você pareceu uma história boba, talvez seja. Não tem nada de "oh lord, que original!" mas ser clichê não quer dizer que não seja bom. Pelo contrário, um dos clichês adolescentes mais bem trabalhados que eu já li. O livro é narrado em primeira pessoa, o que te dá oportunidade de acompanhar as aflições e situações da protagonista. Tudo acontece num ritmo perfeito, e a cada página você quer ler mais e mais, e saber o que vai acontecer, quem vai fazer o que, e se fulana vai falar aquilo. Isso explica porque li esse livro em um dia sou desesperada mesmo eaí vai bater.

Confesso que me apaixonei pela paixão da Natalie. Garoto fofo, gente! Se você homem que está lendo essa resenha está fazendo careta pro meu comentário, meus pêsames, sou garota. ): Um comentário de leitora: acho que a Natalie merece boa parte das coisas que acontece com ela, ninguém mandou se meter demais na vida dos outros. Esse povo xereta, só faz xeretisse. Tsc, tsc. Agora deixo a curiosidade e vontade de ler com vocês. No dia que eu tiver dinheiro, eu sorteio o kit do livro. Torçam pra eu receber dinheiro rápido, ricardo.

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.

Amanda, ou Tama, ariana de 17 anos. Formanda, viciada em muitas coisas, projeto de geek e chata de coturnos, porque galocha não é legal.

Instagram

Dê um like!

Seguidores

Assine os feeds

Parceiros

No seu blog

Arquivos